Google+








.

Mais de R$ 80 milhões de investimento em projeto de irrigação na Paraíba

O projeto de irrigação Várzeas de Sousa (PB) recebeu o aporte de mais R$ 7,5 milhões nesta quarta-feira (28/11). Por meio de convênio com o Estado, a Integração Nacional - que já investiu R$ 75 milhões - amplia a área de ocupação do projeto de 2 mil hectares para 4.390 hectares.

Com o objetivo de avaliar a execução dos trabalhos conveniados pela Integração Nacional e o governo da Paraíba, o Secretário Nacional de Irrigação, Guilherme Augusto Orair, visita o projeto localizado em terras dos municípios de Sousa e Aparecida.

Projeto de Várzea - O Perímetro Irrigado Várzeas de Sousa tem como objetivo impulsionar e dinamizar a agricultura por meio de ações voltadas para o desenvolvimento de atividades agrícolas e agroindustriais. O Perímetro tem como finalidade a irrigação de uma área total de 4.390,79 ha com 178 lotes para pequenos produtores, sendo o foco das atividades a fruticultura e a ovinocultura.


Foto: Gustavo dos Santos GorettiFoto: Gustavo dos Santos Goretti

Foto: Gustavo dos Santos GorettiFoto: Gustavo dos Santos Goretti

Foto: Gustavo dos Santos Goretti

 
Fonte: Ministério da Integração 




Legislação do REIDI - Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura

 

 L E I S

11.488/2007

Cria o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura - REIDI; reduz para 24 (vinte e quatro) meses o prazo mínimo para utilização dos créditos da Contribuição para o PIS/Pasep e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS decorrentes da aquisição de edificações; amplia o prazo para pagamento de impostos e contribuições; altera a:

Medida Provisória nº 2.158-35, de 24 de agosto de 2001
- Leis nºs 9.779, de 19 de janeiro de 1999
- 8.212, de 24 de julho de 1991
- 10.666, de 8 de maio de 2003
- 10.637, de 30 de dezembro de 2002
- 4.502, de 30 de novembro de 1964
- 9.430, de 27 de dezembro de 1996
- 10.426, de 24 de abril de 2002
- 10.833, de 29 de dezembro de 2003
- 10.892, de 13 de julho de 2004
- 9.074, de 7 de julho de 1995
- 9.427, de 26 de dezembro de 1996
- 10.438, de 26 de abril de 2002
- 10.848, de 15 de março de 2004
- 10.865, de 30 de abril de 2004
10.925, de 23 de julho de 2004
- 11.196, de 21 de novembro de 2005

Revoga dispositivos das Leis:
- nºs 4.502, de 30 de novembro de 1964
- 9.430, de 27 de dezembro de 1996
- Decreto-Lei nº 1.593, de 21 de dezembro de 1977

Dá outras providencias:
- Alterada pela Lei nº 11.727, de 23 de junho de 2008.
- Alterada pela Lei nº 11.933, de 28 de abril de 2009
- Alterada pela Lei nº 12.249, de 11 de junho de 2010


D E C R E T O S

7.367/2010 
Altera o Decreto nº 6.144, de 3 de julho de 2007, que regulamenta a forma de habilitação e co-habilitação ao Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura - REIDI, instituído pelos arts. 1º a 5º da Lei nº 11.488, de 15 de junho de 2007.

6.416/2008
Altera o Decreto nº 6.144, de 3 de julho de 2007, que regulamenta a forma de habilitação e co-habilitação ao Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura - REIDI, instituído pelos arts. 1º a 5º da Lei nº 11.488, de 15 de junho de 2007.

6.167/2007
Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 6.144, de 3 de julho de 2007, que regulamenta a forma de habilitação e co-habilitação ao Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura - REIDI, instituído pelos arts. 1o a 5o da Lei nº 11.488, de 15 de junho de 2007.


INSTRUÇÕES NORMATIVAS

1.267/2012
Altera a Instrução Normativa RFB nº 758, de 25 de julho de 2007, que dispõe sobre o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (Reidi).

1.237/2012
Altera a Instrução Normativa RFB nº 758, de 25 de julho de 2007, que dispõe sobre o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (Reidi), a Instrução Normativa RFB nº 1.074, de 1º de outubro de 2010, que dispõe sobre o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura da Indústria Petrolífera nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (Repenec), e a Instrução Normativa RFB nº 1.176 de 22 de julho de 2011, que dispõe sobre o Regime Especial de Tributação para Construção, Ampliação, Reforma ou Modernização de Estádios de Futebol (Recopa).

955/2009
Altera a Instrução Normativa RFB nº 758, de 25 de julho de 2007, que dispõe sobre o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (Reidi).
 
758/2007
Dispõe sobre o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (Reidi). Alterada pela:
- IN RFB n° 778, de 19 de outubro de 2007.
- IN RFB nº 955, de 9 de julho de 2009
- Instrução Normativa RFB nº 1.237, de 11 de janeiro de 2012.
- Instrução Normativa RFB nº 1.267, de 27 de abril de 2012.

778/2007
Altera a Instrução Normativa RFB nº 758, de 25 de julho de 2007, que dispõe sobre o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura (Reidi).


ATOS DECLARATÓRIOS

051/2007
Dispõe sobre o valor do ressarcimento de que trata o art. 28, § 4º, da Lei nº 11.488, de 15 de junho de 2007.
Revogado pelo Ato Declaratório Executivo RFB nº 2, de 31 de janeiro de 2012 (Vide art. 3º do ADE RFB nº 2/2012).



Fonte: RECEITA FEDERAL
  

PROGRAMA DO GOVENO FEDERAL CRIA INCENTIVOS FISCAIS PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE IRRIGAÇÃO - REIDI
     



OUTRAS INFORMAÇÕES SOBRE O REIDI EM ESTE BLOG:







  

SALITEC 2012 valoriza a agricultura irrigada

SALITEC 2012 valoriza a agricultura irrigada 

O SALITEC 2012 está previsto para ser realizado de 29 de novembro a 1º de dezembro no canteiro de obras do Perímetro, localizado na comunidade de Lagoa do Salitre.

Serão realizadas uma feira tecnológica, exposição de animais, seminários, rodada de negócios e haverá ainda a apresentação de manifestações culturais da região, como o Samba de Véio, dança tradicional que remonta a época da escravidão.

O evento foi criado com o objetivo de substituir a festa do colono, quando os pequenos produtores dos perímetros irrigados comemoram, ao final de cada ano, os bons resultados obtidos no campo.

A ideia principal é valorizar a agricultura irrigada, as cadeias produtivas do agronegócio e das atividades econômicas, culturais, ambientais e sociais do local.


 SALITEC 2012 valoriza a agricultura irrigada

Entre os objetivos do SALITEC estão o de incentivar ações que intensifiquem o desenvolvimento da agricultura irrigada no vale do São Francisco; promover a integração entre os agroempreendedores e os parceiros; discutir difusão de novas tecnologias; divulgar e valorizar os produtos do Perímetro Irrigado Salitre e da região; proporcionar a divulgação da agricultura irrigada, seus produtos e afins, incentivando a expansão do mercado interno, ampliação e conquista de novos mercados, e estruturar as relações dos agroempreendedores com o mercado.

Produtividade
Segundo dados da equipe de Assistência Técnica e Extensão Rural que atua no Salitre, até abril deste ano, a área cultivada na primeira etapa do perímetro totalizou 823,95 hectares, sendo a goiaba (153,92 ha), o melão (136,4 ha), a cebola (92,7 ha), a abóbora (89,13 ha) e a banana (79,48 ha) os principais produtos cultivados. De março do ano passado até março deste ano, a receita bruta subiu de R$ 18.660,71 para R$ 38.411,68 por hectare.


Fonte: CODESVASF



Mapa de necessidade de irrigação de cana no Brasil

Programa de Incentivo à Irrigação e à Armazenagem - MODERINFRA

Objetivos
- Apoiar o desenvolvimento da agropecuária irrigada sustentável, econômica e ambientalmente, de
  forma a minimizar o risco na produção e aumentar a oferta de produtos agropecuários;
- Ampliar a capacidade de armazenamento da produção agropecuária pelos produtores rurais;
- Proteger a fruticultura em regiões de clima temperado contra a incidência de granizo;
- Apoiar a construção e ampliação das instalações destinadas à guarda de máquinas e implementos
  agrícolas e à estocagem de insumos agropecuários.

As operações no âmbito do MODERINFRA serão realizadas através das instituições financeiras credenciadas. 

Clientes
Produtores rurais (pessoas físicas ou jurídicas), e suas cooperativas. 

Itens financiáveis
Investimentos relacionados com todos os itens inerentes aos sistemas de irrigação e de armazenamento, inclusive reforma, de forma coletiva ou individual; implantação e recuperação de equipamentos e instalações para proteção de pomares contra a incidência de granizo; e a construção, modernização, reforma e ampliação de instalações destinadas à guarda de máquinas e implementos agrícolas e à estocagem de insumos agropecuários. 
Atenção: O cliente deverá utilizar o imóvel destinado à armazenagem rural ou à guarda de máquinas e implementos agrícolas e de insumos agropecuários até, no mínimo, o final do prazo de financiamento, sob pena de desclassificação da operação do rol de financiamentos rurais desde sua origem. 

Localização do empreendimento
Crédito individual: o empreendimento apoiado deverá estar localizado na propriedade rural do cliente. Neste caso, a unidade armazenadora poderá ainda estar em imóvel rural distinto daquele onde se realiza a produção, desde que beneficie a logística de transporte e armazenagem do produtor rural beneficiário do financiamento.

Crédito coletivo: a unidade armazenadora ou as instalações para guarda de máquinas e implementos agrícolas e de insumos agropecuários devem ser edificadas o mais próximo possível da área de produção dos tomadores do crédito.

Taxa de juros
5,5% ao ano.

Participação máxima do BNDES
Até 100%.

Limite do financiamento
Até R$ 1,3 milhão por cliente, para empreendimento individual, e até R$ 4 milhões, para empreendimento coletivo, respeitado o limite individual por participante.

O limite individual de R$ 1,3 milhão pode ser elevado em até 100%, desde que os recursos adicionais sejam destinados exclusivamente para a proteção de pomares contra a incidência de granizo em regiões de clima temperado.

Admite-se a concessão de mais de um financiamento para o mesmo cliente, por ano-safra, quando a atividade assistida requerer e ficar comprovada a capacidade de pagamento; e o somatório dos valores concedidos não ultrapassar o limite de crédito para o programa.

Prazo total
Até 12 anos, incluída a carência de até 3 anos. 

Garantias
No caso de financiamento para compra isolada de máquinas e equipamentos, sobre os bens deverá ser constituída a propriedade fiduciária ou o penhor, a serem mantidos até final liquidação do contrato.

Os bens constitutivos da garantia deverão ser segurados em favor e no interesse da instituição financeira credenciada, até final liquidação das obrigações do cliente.

No financiamento a projetos, as garantias ficarão a critério da instituição financeira credenciada, observadas as normas pertinentes do Banco Central do Brasil.

Não será admitida como garantia a constituição de penhor de direitos creditórios decorrentes de aplicação financeira.

Vigência  
Até 30.06.2013 

Encaminhamento
O interessado deve dirigir-se à instituição financeira credenciada de sua preferência que informará qual a documentação necessária, analisará a possibilidade de concessão do crédito e negociará as garantias. Após a aprovação pela instituição, a operação será encaminhada para homologação e posterior liberação dos recursos pelo BNDES.
  

Veja também


 Fonte: BNDES O banco do desenvolvimento





Minuta de decreto para agricultura irrigada

Foi apresentada a minuta de decreto que define como de utilidade pública e de interesse social a construção de reservatórios e da infraestrutura física de projetos de irrigação em cursos d’água para fins de agricultura irrigada.
A mencionada minuta, que foi objeto de avaliação e aprovação pelo Senhor Ministro da Integração Nacional, encontra-se atualmente para apreciação e aprovação no Ministério do Meio Ambiente.


Fonte: DPI/SENIR/MI


Comissão aprova política de incentivos financeiros à irrigação

Projeto, que substitui lei de 1979, beneficia agricultor ao dar descontos nas contas de energia e facilitar concessão de empréstimos.

A Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) aprovou ontem o projeto de lei que institui a nova Política Nacional de Irrigação. Agora, a proposta será examinada pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA).
Comissão aprova política de incentivos financeiros à irrigação  
O projeto de lei (PLS 229/95) foi proposto há 17 anos pela Comissão Especial para o Desenvolvimento do Vale do São Francisco, criada no Senado para discutir políticas, programas e estratégias para o desenvolvimento da região — pobre — que margeia o Rio São Francisco na divisa entre os estados de Minas Gerais, Bahia e Pernambuco.

O texto aprovado no dia 21/11/2012 é um substitutivo da Câmara dos Deputados ao projeto de 1995. Ele garante a concessão de incentivos financeiros para a ampliação da área irrigada no Brasil e o aumento da produtividade agrícola.


Tarifa elétrica
Entre esses incentivos, estão os descontos nas tarifas de energia elétrica de atividades de irrigação.
Conforme a proposta aprovada na comissão, serão concedidos incentivos fiscais a projetos de irrigação públicos privados que sejam sustentáveis e estejam em conformidade com os planos de recursos hídricos. Esses incentivos serão destinados prioritariamente às localidades mais pobres.

Ainda de acordo com o projeto de lei, os produtores ­rurais que pratiquem agricultura irrigada serão privilegiados no acesso a crédito rural para compra de equipamentos de irrigação e também para contratação de seguro rural.

A Política Nacional de Irrigação descrita no projeto de lei substituiria a atual, que foi instituída em 1979.


Potencial
Em seu relatório na Comissão de Serviços de Infraestrutura, o senador Sérgio Souza (PMDB-PR) citou dados produzidos pela Agência Nacional de Águas (ANA).

Entre 1960 e 2006, a área irrigada no Brasil aumentou de 450 mil hectares para 4,45 milhões de hectares. A área potencialmente irrigável do país, porém, é de 29,5 milhões de hectares.

— Esses dados demonstram o enorme e ainda pouquíssimo explorado potencial da irrigação para o aumento da produtividade da agropecuária nacional — argumentou o senador em seu relatório, defendendo a aprovação do projeto de lei na CI.



Veja também: Política Nacional de Irrigação (Lei 6.662/1979) e as normas relacionadas à política de irrigação – Lei 8.657/1993 e os decretos-lei 2.032/1983 e 2.369/1987.
 



Apresentações do Seminário Internacional Água, Irrigação e Alimentação

O Seminário Internacional Água, Irrigação e Alimentação recebeu durante os três dias de evento cerca de 600 pessoas e realizou mais de 10 palestras.
 

Nos links a seguir estão disponibilizadas as apresentações dos especialistas no tema que estiveram presentes no evento.

Arquivos para download

















Baixe aqui a Revista do Seminário Internacional (6,70 MB)



Fonte: Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio
 

Resultados do Curso de Manejo de Água e Solo nos Perímetros Irrigados da Codevasf


Mais um passo foi dado no longo caminho rumo ao estabelecimento do manejo de água e solo nos perímetros irrigados, a partir da última edição do Curso de Manejo de Água e Solo nos Perímetros Irrigados da Codevasf.

Os desempenhos das turmas segue embaixo:

Resultados do Curso de Manejo de Água e Solo nos Perímetros Irrigados da Codevasf


Em relação ao curso, professores, autoavaliação e serviços prestados, os participantes avaliaram assim:
 
Resultados do Curso de Manejo de Água e Solo nos Perímetros Irrigados da Codevasf

Resultados do Curso de Manejo de Água e Solo nos Perímetros Irrigados da Codevasf

Os trabalhos continuarão no sentido de estabelecer estratégias de manejo, sensibilização para o uso conservativo dos recursos naturais  e apropriação de tecnologias e conhecimento.

É claro que esse caminho começa com um passo inicial: Uma proposta de manejo de irrigação


Fonte: Ricardo Barros Vieira
          ADR – AI/GEI/Codevasf


* Outros destaques do Curso em este BLOG:



Governo Federal lança "Mais Irrigação"

O governo federal lança o programa Mais Irrigação, que vai valorizar o agricultor familiar e desenvolver, por meio de parcerias público-privadas, a economia regional de forma sustentável, gerando mais emprego e renda, e levando alimentos de qualidade para a mesa dos brasileiros.

O programa, coordenado pelo Ministério da Integração Nacional, prevê investimentos de R$ 3 bilhões, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e outros R$ 7 bilhões vindos da iniciativa privada.

O Mais Irrigação estará presente em 66 áreas de 16 estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima, Sergipe e Tocantins.

São 538 mil hectares de projetos com vocação para a produção de biocombustíveis, fruticultura e ainda para a produção de leite, carne e grãos, que irão incluir o pequeno e o médio agricultor na cadeia produtiva, garantindo mercado, assistência técnica e preço justo.
 Programa “Mais Irrigação”










Programa Mais Irrigação beneficia 16 estados brasileiros

O governo federal lançou na terça-feira (13/11) o programa "Mais Irrigação", que vai valorizar o agricultor familiar e desenvolver, por meio de parcerias público-privadas, a economia regional de forma sustentável, gerando mais emprego e renda, e levando alimentos de qualidade para a mesa dos brasileiros.

A solenidade, ocorrida no Palácio do Planalto, contou com a presença da presidenta Dilma Rousseff, e do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho.
 
Programa Mais Irrigação

O programa, coordenado pelo Ministério da Integração Nacional, prevê investimentos de R$ 3 bilhões, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e outros R$ 7 bilhões vindos da iniciativa privada.

O "Mais Irrigação" estará presente em 66 áreas de 16 estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima, Sergipe e Tocantins.

São 538 mil hectares de projetos com vocação para a produção de biocombustíveis, fruticultura e ainda para a produção de leite, carne e grãos, que irão incluir o pequeno e o médio agricultor na cadeia produtiva, garantindo mercado, assistência técnica e preço justo. 

O programa é dividido em quatro eixos:

E i x o  1
O "Mais Irrigação" vai atrair investimentos privados por meio de concessão da ocupação agrícola, do investimento em infraestrutura de irrigação e da operação, promovendo a utilização sustentável dos recursos de água e solo, dinamizando o desenvolvimento regional e gerando emprego e renda. Oito perímetros entrarão neste eixo:

- Baixo Acaraú / CE - 4.144 há
- Baixio de Irecê / BA - 48.000 ha
-  Salitre / BA - 26.206 há
- Canal do Sertão / BA-PE - 45.000 ha
- Pontal / PE - 7.717 ha
- Nilo Coelho / PE - 22.957 ha
- Platôs de Guadalupe / PI - 10.632 ha
- Jaíba / MG - 24.745 ha

E i x o  2
No "Mais Irrigação", 13 perímetros serão revitalizados potencializando a produção agrícola, gerando aumento da eficiência e a maior e melhor ocupação das áreas irrigadas.

- Passarão / RR - 1.000 ha
- Rio Formoso / TO - 28.500 ha
- Luis Alves do Araguaia / GO - 3.797 ha
- Tabuleiros Litorâneos / PI - 5.985 ha
- Tabuleiros de Russas / CE - 6.376 ha
-  Curaçá / BA - 4.345 ha
- Maniçoba / BA - 5.006 ha
- Formoso / BA - 12.558 ha
- Gorutuba / MG - 5.286 ha
- Jequitaí / MG - 18.000 ha
- Canal Jaguari / RS - 17.000 ha
- Canal Taquarembó / RS - 15.000 ha
            - Arambaré / RS - 10.650 ha 

E i x o  3
O "Mais Irrigação" vai beneficiar pequenos produtores familiares que terão apoio e incentivos para produzirem de forma eficiente gerando emprego, renda e qualidade de vida.

- Itamaraty II (MS) - 6.000 ha
- Jonas Pinheiro (MT) - 1.296 ha
- Manoel Dionísio (SE) - 1.716 ha
- Jacaré-Curituba (SE) - 3.105 ha
- Betume (SE) - 2.865 ha
- Cotinguiba-Pindoba (SE) - 2.237 ha
- Propriá (SE) - 1.177 ha
- Delmiro Gouveia (AL) - 1.540 ha
- Pariconha (AL)  - 1.600 ha
- Boacica (AL) - 3.334 ha
- Itiúba (AL) - 894 ha
- Mirorós (BA) - 2.095 ha
- Estreito (BA) - 2.735 ha
- Bebedouro (PE) - 2.433 ha
- Boa Vista (PE) - 131 ha
- Moxotó (PE) - 8.596 ha
- Marrecas-Jenipapo (PI) - 1.000 ha
- Araras Norte (CE) - 3.225 ha
- Ayres de Souza (CE) - 615 ha
- Várzea do Boi (CE) - 630 ha
- Icó-Lima Campos (CE) - 4.263 ha
- Santa Cruz do Apodi (RN) - 4.024 ha
- Cruzeta (RN) - 196 há
- Pau dos Ferros (RN) - 657 ha
- São Gonçalo (PB) - 2.404 ha
- Sumé (PB) - 274 ha
- Várzea de Flores (MA) - 1.720 ha

E i x o  4
De olho no futuro, estudos e projetos serão elaborados visando a criação de uma carteira para implantação de perímetros irrigados.

- Mucambo-Cuscuzeiro / BA - 6.000 ha
- Iuiu / BA - 30.000 ha
- Mucugê-Ibicoara/BA - 3.000 ha
- Rio de Contas/BA - 2.000 ha
- Baixada Maranhense / MA - 5.000 ha
- Boa Esperança/Rio Balseiro / MA - 5.000 ha
- Tabuleiro São Bernardo / MA - 5.598 ha
- Platôs de Guadalupe - 3ª Etapa / PI - 5.000 ha
- Salinas / PI - 2.000 ha
- Imburuçu / GO - 1.700 ha
- Canal Xingó / SE - 10.800
- Ibicuitinga / CE - 15.000 ha
- Mendubim / RN - 8.300 ha
- Vertente Litorânea / PB - 3.000 ha
- Eixo Norte - trecho VI / PE - 34.000 ha
- Serra Negra / PE - 6.000 ha
- Terra Nova / PE - 8.000 ha
            - Inhapi / AL - 4.300 ha

  
Veja a galeria de imagens do evento



Fonte: Ministério da Integração Nacional




Mestrado em Agricultura Conservacionista

O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) abriu o processo seletivo para a primeira turma de seu Mestrado em Agricultura Conservacionista. Os interessados devem preencher o formulário de inscrição, disponível aqui, e entregá-lo até o dia 10 de dezembro na secretaria do Programa de Pós-Graduação (ou encaminhá-lo via Sedex), juntamente com o comprovante do pagamento de uma taxa de R$ 100,00.

Com 21 vagas, a seleção dos candidatos será em quatro etapas: avaliação do currículo Lattes, entrevista e provas de conhecimentos específicos e de inglês. Os testes escritos e as entrevistas serão nos dias 15 e 16 de janeiro de 2013, na sede do Iapar, em Londrina.

O Mestrado em Agricultura Conservacionista do Iapar oferece três linhas de pesquisa: “genética, melhoramento e biotecnologia vegetal”, “manejo conservacionista dos recursos naturais” e “produção e proteção vegetal”. A lista dos aprovados será divulgada no início de fevereiro e as aulas começarão em março.

Agricultura sustentável – Primeiro curso de pós-graduação da instituição, o mestrado do Iapar tem enfoque inteiramente voltado à produção ambientalmente sustentável, aproveitando a longa e respeitada experiência que a instituição vem acumulando nesse campo do conhecimento nos últimos 40 anos, como afirma o coordenador adjunto de pesquisas Augusto Guilherme de Araújo.

Ainda de acordo com Araújo, o objetivo é formar prioritariamente pesquisadores, diferentemente dos programas de pós-graduação das universidades, mais voltados à formação de professores para o ensino superior.

O dirigente considera ainda que o ingresso do Iapar na área acadêmica é consequência de um trabalho amadurecido no dia a dia da instituição. “Há anos acolhemos bolsistas de iniciação científica e pós-graduandos de mestrado e doutorado para desenvolver seus trabalhos experimentais nos laboratórios e campos da instituição”, disse. Ele acrescenta que, nos últimos quatro anos, 41 estudantes de mestrado e de doutorado de universidades paranaenses e paulistas receberam co-orientação de pesquisadores do Iapar.

“O Iapar é o segundo centro de pesquisas em agropecuária no Brasil a ampliar suas atividades em direção à área acadêmica, seguindo o exemplo do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), no Estado de São Paulo, que iniciou sua pós-graduação há 13 anos”, disse.

Informações:
IAPAR – Secretaria de Pós-Graduação
Telefone: (43) 3376-2153
Email: pgiapar@iapar.br


Fonte:  http://www.iapar.br/modules/noticias/article.php?storyid=1415


Mais Irrigação - Investimentos em irrigação totalizam 10 bilhões

O programa, coordenado pelo Ministério da Integração Nacional, prevê investimentos de R$ 3 bilhões, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e outros R$ 7 bilhões vindos da iniciativa privada. Ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, detalha neste vídeo informações sobre o novo "Mais Irrigação".

Clique e assista


Fonte: Ministério da Integração 

Mais Irrigação - Investimentos em irrigação totalizam 10 bilhões